GENGIVITE

No balcão da farmácia apercebo-me que, cada vez mais, as pessoas se preocupam com a saúde das gengivas. No aconselhamento de uma pasta dentífrica, diria que mais de 50% das pessoas preferem “a das gengivas”. Também em casa, quando ligo a televisão, reparo que a maioria da publicidade de pastas dentífricas é direccionada às gengivas inflamadas e ouço repetidamente “Sangra os dentes ao escovar?! …” Por esse motivo, hoje vamos falar de gengivite.

A gengivite é, como o próprio nome indica, uma inflamação das gengivas que provoca o seu inchaço e vermelhidão e em situações mais graves podem tornar-se dolorosas ao toque. Um outro sintoma é o sangramento das gengivas durante a escovagem e com o uso do fio dentário.

A principal causa desta inflamação é a acumulação de placa bacteriana que se vai formando entre os dentes e as gengivas. A placa bacteriana ou biofilme, numa fase inicial é viscosa, parece quase um muco e pode ser removida com a escovagem, porém, quando isso não acontece esta mineraliza e forma aquilo que se chama de “tártaro”, e que precisa de uma ida a um dentista para ser removido.

Há outras causas de gengivite que também devemos ter em conta, como os factores hormonais: durante a gravidez há um aumento de progesterona, esta hormona pode tornar as gengivas mais inchadas e sensíveis, podendo mesmo levar ao seu sangramento, o mesmo pode acontecer na adolescência e na fase adulta em certas alturas do ciclo menstrual.

A falta de algumas vitaminas na dieta, a toma de alguns medicamentos e a genética também são factores a ter em conta nesta patologia.

Quando a gengivite não é tratada pode evoluir para periodontite onde já há destruição de tecidos e consequentemente pode levar a perda de dentes. Por isso é importante que vá periodicamente ao dentista, seja para remover tártaro que possa estar instalado, seja para fazer uma inspecção do estado das gengivas.

Deixo aqui algumas dicas úteis que ajudam a prevenir estes problemas gengivais:

  • Faça uma boa escovagem: pelo menos 2 vezes ao dia e evite comer nas primeiras horas após a escovagem;
  • Utilize uma escova adequada: opte por macias e de cabeça pequena de forma a não magoar as gengivas, e substitua-a a cada trimestre;
  • Utilize uma pasta de dentes adequada: de preferência com flúor entre os 1000 a 1500 ppm;
  • Utilize diariamente escovilhões, fio ou fita dentária: só assim é possível remover a placa bacteriana nos espaços que a escovagem não alcança.

Se os sintomas de gengivite persistirem é aconselhável ser observado por um médico dentista.

Texto escrito pela Filipa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.