Amamentar com tranquilidade

A Clara regressou ao trabalho depois de seis meses de enamoramento com a sua Maria do Mar.

Foram tempos de maré baixa, a apanhar conchinhas e caranguejos, a construir castelos na areia e a saltar nas pocinhas. Mas também houve dias de marés vivas, com mar revolto e trovoadas. A Maria do Mar, tal como todos os filhos, trouxe as marés para a vida dos seus pais.

Hoje a Clara passou na farmácia, depois de deixar a filha e metade do seu coração na escola.

Precisava de um creme para o peito porque estava sensível e irritado e queria continuar a amamentar.

Depois do bom dia e do par de beijinhos, deixou escapar um suspiro acompanhado de um desabafo:

“Luísa o meu regresso ao trabalho tem sido um verdadeiro cabo das tormentas.

Não estava à espera de uma festa de boas-vindas, mas o silêncio e os olhares no chão, dos meus colegas quando passo ou tento começar uma conversa, está a ser difícil de gerir e digerir.

Será que tudo vai voltar a ser como antes? Além de ter de separar-me da minha filha, tenho que aguentar aquele ambiente pesado!”

Fez-se silêncio, como mergulhássemos no fundo do mar, e por segundos sustivemos a respiração.

Quando regressámos à tona, depois de a Clara recuperar o fôlego, abracei-a.

Comecei por explicar que depois do banho e de cada mamada, deveria colocar umas gotas do seu leite sobre o mamilo e a auréola, porque ajudaria a cicatrizar, hidratar a pele, e a proteger contra as infecções.

O creme regenerador adequado, pode ser aplicado entre as mamadas porque além de aliviar vai proteger o peito.

É aconselhável iniciar a mamada pelo mamilo não doloroso e corrigir a colocação da bebé à mama, assim como ir mudando a posição da filha procurando sempre um maior conforto.

Se sentir dor pode usar protectores de mamilos e deve dar o leite materno à colher ou copo, até sentir melhoras.

Para interromper a mamada coloque um dedo na boca da bebé para que solte o mamilo com suavidade.

Terminei com o beijinho no coração:

-“Clara às vezes temos que ter a paciência de esperar, deixar a tmaré passar porque tudo acaba por seguir o seu rumo. Abrace muito a sua Maria do Mar porque os abraços curam e os seus efeitos adversos são poderosos.”

Em caso de dúvida pergunte à sua farmacêutica 🙂

Pode procurar ajuda também aqui.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *