A FLORISTA ALÉRGICA AO PÓLEN

Sempre que vem à farmácia diz com graça que a sua alergia ao pólen não a impediu de ser a florista que sempre sonhou.

Como gosta de contar e voltar a contar, foi por pouco que não nasceu no meio das cestas e dos baldes apinhados de flores e ainda as histórias de como foi feliz a percorrer as feiras de mão dada com a mãe.

Para grande pena sua, ao fim de alguns anos, quando entrou para a escola, trocaram o rebuliço das andanças feirantes por uma banca no mercado.

Escusado será dizer que não há espirros em série (porque não há dois sem três), narizes a pingar, comichões no céu-da-boca e irritações na garganta, que a fossem alguma vez afastar das suas flores.

“Porque sabe doutora, quando estou com os azeites são elas que me ouvem.” – diz ela, apertando entre os dedos a medalhinha de Santa Teresinha que tem pendurada ao peito num fio de ouro. – “Sabe que as flores dão cor aos dias a preto e branco!”

Quando o pólen entra nas vias respiratórias de uma pessoa alérgica, o seu sistema imunitário responde produzindo uma molécula chamada histamina, que pode desencadear o aparecimento de sinais e sintomas de uma reacção alérgica como a tosse, pieira, espirros, olhos lacrimejantes, nariz a pingar, entupido, comichão nos olhos e no nariz, garganta irritada, vermelhidão e comichão na pele.

Na impossibilidade de evitar por completo a exposição ao pólen, para aliviar os sintomas da alergia a Dona Isaura toma um anti alérgico oral (há muitos diferentes, veja com o médico qual é que melhor se adequa à sua situação!). E, nas situações mais severas, depois de lavar as fossas nasais com uma solução salina, aplica um spray nasal anti alérgico para atenuar congestão nasal, o pingo do nariz e os espirros.

É aconselhado também a lavagem diária dos olhos com soro fisiológico, pelo menos duas vezes por dia, assim como a lavagem dos dentes porque minimiza as manifestações da alergia.

Foram aconselhados à dona Isaura alguns cuidados preventivos:
  • Mudar de roupa ao chegar a casa
  • Tomar banho e lavar a cabeça antes de se deitar para que o pólen não se aloje na cama e almofada
  • Manter as janelas e portas fechadas
  • Usar óculos escuros

Os dias secos, mais quentes e ventosos, têm uma maior quantidade de pólen no ar durante o dia, por isso é importante estar informado acerca dos tipos e quantidade de pólen, em cada dia e cada região do país, que está disponível no Boletim Polínico AQUI.

Em caso de agravamento dos sintomas deve consultar o seu médico ou alergologista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *